quarta-feira, 30 de novembro de 2016

SOLIDÃO

Solidão é... Olhar o telefone, ansioso por um chamado, e ele permanecer mudo. Ouvir uma música e não ter ninguém com quem associá-la. Querer dormir muito, para não ter a consciência de que está só. Não ter ninguém com quem brindar um acontecimento. Sentir frio e não ter um abraço para aquecê-lo. Falar alto em casa, para ter a sensação de estar ouvindo algum ser humano. Ter apenas um prato na mesa, às refeições. Não ter alguém para lhe abotoar o vestido ou lhe ajeitar a gravata. Sair de madrugada, tentando encontrar algum conhecido para poder desabafar. Perceber que não tem um ombro para chorar. Ler o jornal durante as refeições, por não ter com quem conversar. Verificar que a correspondência se resume a contas e extratos bancários. Nunca ter a quem dizer bom-dia, ao acordar. Não ter quem lhe faça um chá, quando está indisposto. Não ter a possibilidade de dividir o mesmo desodorante ou a mesma pasta de dentes. Não ter alguém que lhe impeça o suicídio. E você? Quando se sente realmente só?


BALTAZAR GRACIAN

Loucura não é cometer loucuras, e sim não conseguir escondê-las. Todos os
homens erram, mas o sábio esconde os enganos que cometeu, enquanto o louco os
torna públicos. A reputação depende mais do que se esconde do que daquilo que
se mostra. Se você não pode ser bom. seja cuidadoso.
Baltasar Gracian. 1601 -1658


Os atenienses mantinham regularmente uma quantidade de seres degradados e
inúteis; e quando acontecia uma calamidade, tal como uma praga, enchente ou
escassez de alimentos... [estes bodes expiatórios] eram levados... e depois
sacrificados, aparentemente apedrejados do lado de fora da cidade.
The Golden Bough, Sir James George Frazer 1854-1941

.NÃO ULTRAPASSE A META ESTABELECIDA; NA VITÓRIA APRENDA A PARAR.

O momento da vitória é quase sempre o mais perigoso. No calor da
vitória, a arrogância e o excesso de confiança podem fazer você avançar além
da sua meta e, ao ir longe demais, você conquista mais inimigos do que derrota.
Não deixe o sucesso lhe subir a cabeça. Nada substitui a estratégia e o
planejamento cuidadoso. Fixe a meta e, ao alcança-la, pare.

NÃO PAREÇA PERFEITO DEMAIS

Parecer melhor do que os outros é sempre perigoso, mas o que é
perigosíssimo é parece não ter falhas ou fraquezas. A inveja cria inimigos
silenciosos. É sinal de astúcia exibir ocasionalmente alguns defeitos, e admitir
vícios inofensivos, para desviar a inveja e parecer mais humano e acessível. Só
os deuses e os mortos podem parecer perfeitos impunemente.

AGITE AS ÁGUAS PARA ATRAIR OS PEIXES

Raiva e reações emocionais são contraproducentes do ponto de vista
estratégico. Você precisa se manter sempre calmo e objetivo. Mas, se conseguir
irritar o inimigo sem perder a calma, você ganha uma inegável vantagem.
Desequilibre o inimigo: descubra uma brecha na sua vaidade para confundi-lo e
é você quem fica no comando.

DESPREZE O Q UE NÃO PUDER TER: IGNORAR É A MELHOR VINGANÇA

Reconhecendo um problema banal, você lhe dá existência e credibilidade.
Quanto mais atenção você der a um inimigo, mais forte você o torna; e um
pequeno erro às vezes se torna pior e mais visível se você tentar conserta-lo. Às
vezes, é melhor deixar as coisas como estão. Se existe algo que você quer, mas
não pode ter, mostre desprezo. Quanto menos interesse você revelar, mais
superior vai parecer.

PROVÉRBIO CHINÊS

Não deixe que ninguém saiba exatamente do que você é capaz. O homem sábio
não permite a ninguém sondar fundo os seus conhecimentos e as suas habilidades,
se quiser ser respeitado por todos. Ele permite que sejam conhecidos, mas não que
sejam compreendidos. Ninguém deve conhecer a extensão das suas habilidades,
para não se desapontar. A ninguém ele dá oportunidade de compreendê-las
totalmente. Pois suposições e dúvidas quanto a extensão dos seus talentos evocam
mais respeito do que saber precisamente até onde eles vão, para que sejam
sempre excelentes.
Baltazar Gracián 1601-1658

O sábio não diz o que sabe, o tolo não sabe o que diz
Provérbio Chinês

COMO SER VITORIOSO NO AMOR


Mas com aqueles que tocam o seu coração, notei que você é tímido. Esta
qualidade pode afetar uma burguesa, mas você deve usar outras armas para
atacar o coração de uma mulher do mundo ... Eu lhe digo em nome das mulheres:
não há uma só de nós que não prefira uma leve indelicadeza à demasia
consideração. Os homens perdem mais corações pela falta de jeito do que a
virtude os salva. Quanto mais tímido um amante se mostrar, mais o nosso orgulho
se preocupará em espiaçá-lo; quanto mais respeito ele tiver pela nossa
resistência, mais respeito exigiremos dele. Gostaríamos de dizer aos homens: “Ah,
por piedade, não nos suponham tão virtuosas: vocês nos forçam a exagerar...”
Estamos continuamente lutando para esconder o fato de que permitimos ser
amadas. Coloque uma mulher em posição de dizer que ela cedeu apenas a uma
espécie de violência, ou a uma surpresa: convença-a de que você não a
subestima, e eu responderei por ela... Um pouco mais de coragem da sua parte
deixaria os dois à vontade. Lembre-se do M. De La Rochefoucauld lhe disse
recentemente: “Um homem sensato apaixonado pode agir como um louco, mas
ele não deve nem pode agir como um idiota.”
LIFE, LETTERS. AND EPICUREAN PHILOSOPHY OF NINON DE LENCLOS

MAQUIAVEL

Eu certamente acho que é melhor ser impetuoso do que prudente, pois a sorte é
uma mulher e é preciso, se deseja dominá-la, conquistá-la pela força, e é visível
que ela se deixa dominar pelo ousado de preferência ao que age friamente. E
portanto, como uma mulher. ela é sempre amiga dos jovens, pois são menos
cautelosos mais ferozes e a dominam com mais audácia.
Nicolau Maquiavel, 1469-1527


Ponha-se a trabalhar sempre sem receio de imprudências. O medo do fracasso na
mente de quem age já é, para o observador, evidência de fracasso... Ações são
perigosas quando há dúvida quanto a sua sensatez; seria mais seguro não fazer
nada
Baltasar Gracián, 1601-1658

PROVÉRBIO ETÍOPE

Lembre-se: quem está tentando exibir a sua autoridade ilude-se facilmente com a
tática da rendição. Se você se mostra submisso, eles se sentem importantes.
Contentes, porque estão sendo respeitados, tornam-se alvos mais fáceis para um
contra-ataque, ou para uma zombaria dissimulada como fez Brecht. Ao avaliar o
seu poder ao longo do tempo, não sacrifique a capacidade de manobra a longo
prazo pelas glórias efêmeras do martírio. Quando o grande senhor passa, o
camponês sábio se inclina profundamente e peida em silêncio.
Provérbio etíope

LORD CHESTERFIELD

Creia, não há pessoas tão insignificantes e desprezíveis, e elas podem, qualquer
dia desses, ser úteis a você; o que elas certamente não serão se você já as tratou
com desprezo. Injustiças se esquecem, desprezo, jamais. Nosso orgulho guarda
essa lembrança para sempre.
Lord Chesterfield, 1694-1773

NICOLAU MAQUIAVEL

Pois é preciso notar que os homens devem ser afagados ou então aniquilados; eles
se vingarão de pequenas ofensas, mas não poderão fazer o mesmo nas grandes
ofensas; quando ofendemos um homem, portanto, de vemos fazê-lo de modo a não
ter de temer a sua vingança.
Nicolau Maquiavel, 1469-1527

SUN TZU

Ora, o que faz um soberano brilhante e um sábio general conquistarem sempre o
inimigo, e suas realizações superarem as dos homens comuns, é a presciência da
situação do inimigo. Essa “presciência” não vem dos espíritos, nem dos deuses,
nem de uma analogia com acontecimentos passados, nem de cálculos astrológicos.
Deve ser obtida de homens que conhecem a situação do inimigo — dos espiões.
Sun Tzu, A arte da guerra, século 4 a.C.
Os bons guerreiros fazem os outros irem até eles, e não vão até os outros. Este é o
princípio do vazio e do cheio na relação do eu com o outro. Se você induz os
adversários a virem até você, a força deles se esvazia; desde que você não vá até
eles, a sua força estará sempre cheia. Atacar o vazio com o cheio é como jogar
pedras em ovos.
Zhang Yu, comentarista do século XI sobre a A arte da guerra

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

A ARTE DA GUERRA

Os bons guerreiros fazem os outros irem até eles, e não vão até os outros. Este é o
princípio do vazio e do cheio na relação do eu com o outro. Se você induz os
adversários a virem até você, a força deles se esvazia; desde que você não vá até
eles, a sua força estará sempre cheia. Atacar o vazio com o cheio é como jogar
pedras em ovos.
Zhang Yu, comentarista do século XI sobre a A arte da guerra

SOBRE O PODER

“Os homens apressam-se mais a retribuir um dano do que um benefício, porque a gratidão é um peso e a vingança um prazer.” Tácito “Muita gente pensa que um príncipe sábio deveria, tendo oportunidade, incentivar astuciosamente uma inimizade uma inimizade, de forma que, ao elimina-la, ele possa aumentar a sua grandeza. Os príncipes especialmente os novos, encontraram mais fé e utilidade naqueles homens a quem, no início do seu poder, viam com suspeita, do que naqueles em quem começaram confiando.” Nicolau Maquiavel “Saiba tirar vantagem dos inimigos. Você precisa aprender que não é pela lâmina que se segura a espada, mas pelo punho, para poder se defender. O sábio lucra mais com seus inimigos do que o tolo com seus amigos.” Baltasar Gracián.

sábado, 15 de outubro de 2016

VONTADES

Vontade... vontade de coisas simples da vida, de coisas difíceis da vida. Vontade de brigadeiro, de pôr-do-sol, de água de coco e de banho de mar. Vontade de sapatos novos, de apartamento novo, latinhas de cerveja , de beijo na testa. De ficar de bobeira, sorriso na cara, e problemas pra trás. Vontade de você comigo, aqui perto de mim. Vontade de fofocas no meio da tarde, de camarão com suco de limão, de olhar pra Lua e contar estrelas. De dar risada por pura besteira, de fazer merda sem sentir culpa. Vontade de sonhar um sonho... dar um mergulho, fazer careta pro espelho. Vontade de jogar bola como quem não quer nada,ser menina levada, vontade de brincar de passa-anel e de novo o prazer de comer.. Do sorriso do CACA e do RODRIGO. Vontade de SER FELIZ... Vontade voltar a usar biquíni e de brincar na beira do mar, de tomar sorvete de groselha, bombom sonho-de-valsa, ver Chaves e achar engraçado. Vontade de dormir a tarde toda, e não sentir culpa. De não ter responsabilidade, de não me preocupar com política. Vontade de não me preocupar com BIPOLARIDADES. Vontade de escutar aquela música, aquela, sabe, que me faz pensar que O SONHO NÃO ACABOU... Vontade de ir, de ficar. De sair e de entrar, de partir, para nunca mais voltar. Vontade de ficar sem nunca precisar ter ido. Vontade de sorrir, mesmo tendo vontade de chorar. E de chorar, quando não há mais sorrisos nem nada mais a ser dito. Vontade de cores, de gostos, de gestos, de toques e mãos. Vontade de AMAR. De você, de nós, vós,

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

ETC...ETC...


Li uma postagem que fala justamente sobre a perda dos prazeres simples da vida. Pois é... É incrível como, no passado, já nos empolgamos com coisinhas de nada! Coisas que hoje não nos tocam de forma alguma. Não acho que isso seja algum tipo de evolução. Empobrecemos, isso sim, ao perder tantas fontes de prazer.

1- Antigamente eu adorava o reinício das aulas. Eu curtia principalmente o cheiro do material escolar novo dentro da pasta e as meias novas bem branquinhas.

2- Eu adorava quando meu padrinho dizia que eu era uma tremenda cabrocha. Hoje em dia ninguém nem sabe o que é isso!

3- Eu adorava lamber a tigela com a massa crua do bolo que minha mãe fazia.

4- Eu adorava ouvir bilhões de vezes os mesmos discos de histórias. Hoje não temos discos de história, mas DVD's. A coisa piorou. Antigamente eu ouvia o narrador e exercitava incrivelmente a minha imaginação. Era muito mais legal. Hoje eles imaginam tudo no lugar das crianças... Não houve um empobrecimento? Houve.

5- Eu gostava de ouvir a conversa dos adultos e tentar entender o mundo deles. Tudo me parecia misterioso e interessante.


6-- Eu adorava, quando faltava luz. Era muito divertido brincar com a sombra na parede. Ríamos tanto, eu e meus irmãos!

7- Eu adorava brincar de roda. Em todos os aniversários havia brincadeira de roda.

8- Eu adorava, nos aniversários, a hora da distribuição dos balões. Era um para cada criança e ficávamos muito felizes e empolgados em receber um. Passávamos a festa toda escolhendo qual iríamos pedir. "Aquele verde vai ser o meu!" "Ah, vou pedir o branquinho!" Nossa!

9- Eu gostava de colecionar ossinhos de rabada. Depois de comer uma deliciosa rabada nada melhor do que lavar os ossinhos para brincar. Brincar de quê? Ora, a gente dizia que os ossos eram os boizinhos. Era empolgante ter um "rebanho".

10- Eu adorava "fazer bolo". Receita: farinha, água, açúcar. Colocava em uma panelinha, deixava a farinha inchar. Quando virava no pratinho, tínhamos um bolo absolutamente comestível. Eu achava uma delícia! Quando conseguíamos ter acesso à lata de leite em pó era a glória! Aí o bolinho ficava mais gostoso ainda.

11- Eu adorava fazer o contorno das figuras de uma revista furando-as com um alfinete. Depois de tudo furadinho eu colocava a imagem contra a luz e ela se iluminava! Era como se estivesse cheia de estrelinhas!!!!

13- Eu adorava caminhar pela casa com um espelho sob os olhos, de forma que o que enxergava era o teto, não o chão. Eu me confundia toda e isso era muito engraçado. Claro que de vez em quando dava de cara na parede, mas isso é mero detalhe.

12- Eu passava horas muito felizes brincando de ser princesa.

13- Etc, etc.

É, a vida já foi bem mais simples... 

SAUDADES DE MIM


Sinto saudade do que eu era. Da vontade de viver, de fazer tudo ao mesmo tempo. Do friozinho na barriga.. Ahhh o friozinho na barriga, que delicia era.. Não sei se o erro esta comigo ou com as pessoas que não me despertam mais essa sensação. Sinto saudade dos sorrisos espontâneos, das gargalhadas que eu dava que poderiam se ouvidas pelos vizinhos. Muito caracteristico aliás.. E era sincero, era verdadeiro. Hoje já não sou a mesma. Quando eu lembro dela, sinto saudades. Era divertida, mais desinibida, sem preocupações, era menina, era jovial, era alegre. E me faz falta. Quando lembro dela não parece que ela sou eu. Da a impressão que ela é uma amiga que foi embora. Mas sou eu, ou o que eu era. Eu sinto saudade de mim mesma. 

Você precisa saber da piscina 
Da margarina, da Carolina, da gasolina 
Você precisa saber de mim.

(Caetano)

afeto literário






Você está aí? Estou. Que alívio! Pensei que eu estivesse sozinho. Bateu solidão? Não. É drama. Que é diferente de solidão. Entendi. Vamos conversar? Vamos. Você começa. Mas eu não sei como começar. Não sabe? E como veio parar aqui? É a maré. Eu fui trazido pela maré. Sabe quando a gente se deixa levar? É isso. Eu me deixei levar. Se levar pelo quê? Pela maré. Eu já disse. Mas há vários tipos de marés. Qual delas trouxe você? Eu não sabia que havia tantas marés. Mas, já que preciso dizer uma, acho que foi a maré das dúvidas. Por nunca saber, fui levado. E como se sente? Ainda não sei ao certo. Mas isto já é quase saber, não? Não saber ao certo é saber alguma coisa. De onde você tirou isso? Da maré das conclusões. Você foi trazido por ela? Tenho quase certeza que não.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

INTELIGENTES E SEDUTORAS...

Dia desses ao conversar com amigos, surgiu uma discussão a respeito de como pessoas inteligentes são sedutoras, e não estávamos falando da inteligência erudita, mas daquela que têm os que não olham nada com desdém. E comentamos sobre às vezes em que a inteligência fala mais do que a pele. Ou antes dela. Falamos dessas pessoas que nos envolvem porque são donas de uma honestidade atordoante, e de uma maneira tão leve e segura de falar da vida, que é como se fossemos sendo abraçados por isso, como se fossemos sendo engolidos pela cabeça, até que, de repente nosso corpo também quisesse servir de banquete. Gente que é uma mistura de trem bala, prontos para a partida, e de um delicado construtor de catedrais góticas, prontos para a permanência. Porque pessoas assim crescem diante dos nossos olhos, e já nem nos importamos com esta ou aquela aparência, elas são lindas. E a gente as quer por perto. E a gente as quer por dentro.

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

COMETA BOBAGENS


Cometa bobagens. Não compre manual para criar os filhos, para prender o gozo, para despistar os fantasmas. Não existe manual que ensine a cometer bobagens. Não seja séria; a seriedade é duvidosa; seja alegre; a alegria é interrogativa. Quem ri não devolve o ar que respira. Não atravesse o corpo na faixa de segurança. Grite para o vizinho que você não suporta mais não ser incomodada. Use roupas com alguma lembrança. Use a memória das roupas mais do que as próprias roupas. Desista da agenda, dos papéis amarelos, de qualquer informação que não seja um bilhete de trem. Procure falar o que não vem à cabeça, cantarolar uma música ainda sem letra. Deixe varrerem seus pés, case sem namorar, namore sem casar. Seja imprudente porque, quando se anda em linha reta, não há histórias para contar. Leve uma árvore para passear. Chore nos filmes babacas, durma nos filmes sérios. Não espere as segundas intenções para chegar às primeiras. Não diga "eu sei, eu sei", quando ainda nem ouviu direito. Almoce sozinha para sentir saudades do que não foi servido em sua vida. Ligue sem motivo para o amigo, leia o livro sem procurar coerência, ame sem pedir contrato, esqueça de ser o que os outros esperam para ser os outros em você. Transforme o sapato em um barco, ponha-o na água com a sua foto dentro. Não arrume a casa na segunda-feira. Não sofra com o fim do domingo. Alterne a respiração com um beijo. Volte tarde. Dispense o casaco para se gripar. Solte palavrão para valorizar depois cada palavra de afeto. Complique o que é muito simples. Conte uma piada sem rir antes. Não chore para chantagear. Cometa bobagens. Ninguém se lembra do que foi normal. Que suas lembranças não sejam o que ficou por dizer. É preferível a coragem da mentira à covardia da verdade. (Fabrício Carpinejar)

sexta-feira, 29 de julho de 2016

VIDINHA MAIS OU MENOS....

.
O cheiro da pólvora ao riscar o fósforo. A água fervendo no fogão . O café sem açúcar. As ruas ainda vazias. Os pés pisando em folhas secas. O primeiro raio de sol batendo no rosto . A música tocando nos fones da alma. O cachorro de rua abanando o rabo. O plástico bolha. A palavra escrita. . Os sonhos de quem não dormiu ainda acordados. As angústias dormindo até mais tarde. Meus dilemas sonolentos e silenciosos até agora. O banho quente e demorado antes de ir para o trabalho: de todas as minúsculas felicidades do meu dia a dia.... Vidinha mais ou menos....

quarta-feira, 27 de julho de 2016

momentos felizes



Deixei poucas pessoas conhecerem a mulher que me habita. Essa de verdade, cheia de imperfeições e desordens íntimas, mas que carrega mais ternura do que se pode imaginar. Eu e meus olhos atrevidos, minha fome de amor, e essa fragilidade engraçada de quem quer ser a protagonista de um sonho bom. Não que eu quisesse um compromisso com a eternidade, mas poucos souberam do meu corpo, das minhas marcas, das manhãs de preguiça e do rosto sem maquiagem. É que preciso acreditar para me mostrar. Porque se mostro meus medos, minhas incoerências e fraquezas, e só o que consigo é uma rasteira, fico tão desabitada. Sou uma cidade vazia. Acho que é por isso que por muito, muito pouco, fecho a porta e volto para a minha vida.

IMPERFEIÇÕES


Deixei poucas pessoas conhecerem a mulher que me habita. Essa de verdade, cheia de imperfeições e desordens íntimas, mas que carrega mais ternura do que se pode imaginar. Eu e meus olhos atrevidos, minha fome de amor, e essa fragilidade engraçada de quem quer ser a protagonista de um sonho bom. Não que eu quisesse um compromisso com a eternidade, mas poucos souberam do meu corpo, das minhas marcas, das manhãs de preguiça e do rosto sem maquiagem. É que preciso acreditar para me mostrar. Porque se mostro meus medos, minhas incoerências e fraquezas, e só o que consigo é uma rasteira, fico tão desabitada. Sou uma cidade vazia. Acho que é por isso que por muito, muito pouco, fecho a porta e volto para a minha vida.

domingo, 17 de julho de 2016

SE VOCÊ TENTAR....

Se você for tentar, vá até o fim.
Senão, nem comece.
Se você for tentar, vá até o fim.
...
Isso pode significar perder namoradas,
esposas, parentes, empregos e
talvez sua cabeça.
Vá até o fim.
Isso pode significar não comer por 3 ou 4 dias.
Pode ser congelar em um banco de praça.
pode ser cadeia,
pode ser o ridículo,
chacota,
isolamento.
Isolamento é a dádiva.
Todo o resto é um teste de sua resistência
do quanto você realmente quer fazer isso.
E você vai fazer
Independente da rejeição e das piores dificuldades
será melhor do que qualquer outra coisa
que você possa imaginar.
Se você for tentar, vá até o fim.
Não há outro sentimento como esse.
você estará sozinho com os deuses
e as noites se inflamarão em chamas.
Faça, faça, faça.
Até o fim.
Você guiará sua vida direto para o riso perfeito,
essa é a única boa briga que existe.
*
Porque, às vezes, é preciso dizer - sem blefar – qual é o jogo. Jogue os dados, baby…

PENSANDO NA VELHECE....


Já vi mil listas que mostram as evidências de que estamos ficando velhos. Resolvi também fazer a minha listinha : - A gente deixa de ser criança quando a chuva deixa de ser convite para para a rua e passa a ser convite para ficar debaixo da coberta. - A gente está ficando velho quando não tem mais grandes expectativas para "a festa do ano". Aproxima-se uma festa e só o que a gente pensa é: já vi esse filme. E já vimos mesmo. - Quando não vale mais a pena sacrificar o presente em prol de um futuro promissor. - Quando a gente começa a achar que homem é igual a criança: uma maravilha, mas cansa pra caramba. - Quando o termo "novo amor" provoca um "Deus-me-livre" ao invés de um "queira Deus!" - Quando definitivamente deixamos de acreditar nas promessas dos vendedores. - Quando não temos mais paciência para fingir que acreditamos nos homens. Aliás, quando não temos mais energia para fingir NADA para agradar ninguém. - Quando somos verdadeiros ao dizer que não estamos mais nem aí para as nossas gordurinhas. Antes era só bravata. - Quando é verdade que não estamos nem aí se não tivermos um companheiro. Antes também era só bravata. - Essa frase não é minha, mas merece estar aqui: "Estamos ficando velhas quando nos divertimos mais ao lado de um homem do que debaixo dele." - Quando alguém diz que vai lhe dar uma jóia ou uma roupa muito bonita e cara e você responde: "ah, pra quê?!" - Quando um homem lhe dá uma cantada e entre tantas possíveis respostas positivas ou negativas você apenas diz: "cara, não me encha o saco!" - Quando, vemos um acrobata ou adepto de esportes radicais e ao invés de lhe admirar a arte, só conseguimos pensar em como o ficaríamos moídos se tentássemos fazer a mesma coisa. E por aí vai. A coisa não pára não

sábado, 9 de julho de 2016

O AMOR É LENTO MESMO



Cobrar afeto é pior do que agredir fisicamente. Incha mais do que um tapa na cara. É cortar as palavras mais do que os lábios. Assume-se a condição de credor, como se o amor fosse uma dívida.
Assume-se uma posição superior em relação ao cobrado. Uma posição hierárquica, de chefe reivindicando o cumprimento dos prazos. Toda hora se deseja ouvir "eu te amo", como se o amor fosse chiclete para ocupar a boca. O amor não é uma versão de Windows que precisa ser atualizado a cada ano para girar mais rápido.
O amor é lento mesmo.

[Crônica "Cobranças", in: O Amor Esquece de Começar, Carpinejar,

JANIS JOPLIN

...
"as regras foram feitas para serem quebradas" janis joplin
de verdade....    as feridas sangram eternamente.... mesmo que cicatrizadas....

sábado, 2 de julho de 2016

"Foge para dentro da sua solidão. Sê como a árvore que ama com seus longos galhos: silenciosamente, escutando, ela se dependura como o mar..."

sábado, 18 de junho de 2016

DESEJOS


Traga-me o mar e as rendas das canoas. Traga-me o chá de ervas que colore as mãos depois do abraço. Traga-me os ombros na véspera do sol. Traga-me a cabeleira de astros e a lareira de grilos. Traga-me a glória do limo e os degraus dentro da estante. Traga-me um rosto surpreso e o gancho da porta para pôr o casaco. Traga-me um pensamento que não foi sentimento. Traga-me o visco mais duro, o céu inconformado, o verde aposentado. Traga-me teu sotaque de praia, teu dialeto de inverno. Traga-me tuas notícias sem jornal, a ambulância da brisa. Traga-me os insetos em frascos e a boca aberta de espanto. Traga-me o ritmo das cartas sendo embaralhadas. Traga-me teu álbum de fotos e as figurinhas repetidas para trocar. Traga-me a conversa de corredor, a porta observada. Traga-me o filho no colo, a carícia dos ouvidos. Traga-me as frutas do pé e a horta do fim da casa. Traga-me as jóias falsas para as pedras disputarem corrida no piso. Traga-me a caridade ainda não descontada, a insatisfação aumentando. Traga-me os milagres que não aconteceram, a garrafa de água. Traga-me a renúncia, as gramíneas em caixotes, a colher do violão. Traga-me o medo da escada em caracol, as tampas de vidro dos perfumes. Traga-me teu nome do meio, a escritura do pessegueiro. Traga-me o cheiro da cidade natal, o estojo de linha e agulha. Traga-me o sótão de teus livros, a letra mais arisca. Traga-me teus problemas incomunicáveis. Traga-me a indulgência infantil ao açúcar. Traga-me o animal de estimação de seus cinco anos e sua desaparição repentina. Traga-me o perdão ao teu pai e à mãe, o pomar das gavetas. Traga-me a manhã depois de ter amado à noite. Traga-me a noite depois de ter odiado à tarde. Traga-me areia fora da ampulheta, o resto de música que fica no copo. Traga-me tua risada, a loucura, o palavrão. Traga-me alguma senha esquecida, algum pente esquecido na bolsa. Traga-me a aparência de quem não chegou a tempo. Traga-me a Bíblia marcada com fita de cabelo. Traga-me os mistérios gozosos. Traga-me a salvo o ainda que não abrimos juntos.(Fabrício Carpinejar)

sexta-feira, 10 de junho de 2016

FAIXA AMARELA

"Mantenha-se atrás da faixa amarela, não chegue muito perto, não acerque-se de meus traumas, não invada meus mistérios, não atrite-se com o meu passado, não tente entender nada: é proibido tocar no sagrado de cada um" Martha Medeiros

EU NÃO LAMENTO NADA

"je ne regrette rien"

Sou como Edith Piaf, "Je ne regrette rien" (não lamento nada). Fiz o que quis e fiz com paixão. Se a paixão estava errada, paciência. Não tenho frustrações, porque vivi como em um espetáculo. Não fiquei vendo a vida passar, sempre acompanhei o desfile!!!!

sábado, 4 de junho de 2016

SÓ UM DEVANEIO

· 
As vezes acordava de noite e via as estrelas avançarem tão convincentes que
não podia entender que alguém fosse capaz de desperdiçar tanto mundo (Rilke)
Quase três da manhã e eu aqui pensando no quanto tenho preguiça de gente com pouca coragem. Não tenho nada contra os cautelosos demais, não. É só preguiça mesmo. Da pessoa não tentar (quando quer), não se arriscar, não conseguir se livrar das culpas e ficar sempre naquele minúsculo ”mundinho do politicamente correto“. Tipo: eu até tento entender porque também tenho medo dos riscos. Já dizia minha avó que medo é sinal de inteligência, de faro, de instinto, de saber identificar os perigos. Mas, usar essa cautela toda como uma desculpa para tudo, para não viver, me dá uma preguiça danada. Prefiro mil vezes ter um problema novo por dia, a ter de reviver o mesmo problema todos os dias. É só uma questão de atitude, sabe? E, pra ter atitude, não precisa necessariamente ser “maluco beleza”,“porra louca”, ou coisa do gênero. Mas é preciso sair do script um pouco. Ser inconveniente de vez em quando. Rir na cara de alguém. Falar alguma bobagem. Instigar. Provocar. Irritar – quando necessário. Ser bobo, hora e outra, e tirar um barato da própria cara. São essas coisas que me devolvem o ar em meio ao sufoco da vida.
.
Se você for tentar, vá até o fim.Senão, nem comece.

Se você for tentar, vá até o fim.
Isso pode significar perder namoradas,
esposas, parentes, empregos e
talvez sua cabeça.
Vá até o fim.
Isso pode significar não comer por 3 ou 4 dias.
Pode ser congelar em um banco de praça.
pode ser cadeia,
pode ser o ridículo,
chacota,
isolamento.
Isolamento é a dádiva.
Todo o resto é um teste de sua resistência
do quanto você realmente quer fazer isso.
E você vai fazer
Independente da rejeição e das piores dificuldades
será melhor do que qualquer outra coisa
que você possa imaginar.
Se você for tentar, vá até o fim.
Não há outro sentimento como esse.
você estará sozinho com os deuses
e as noites se inflamarão em chamas.
Faça, faça, faça.
Até o fim.
Você guiará sua vida direto para o riso perfeito,
essa é a única boa briga que existe.
*
Porque, às vezes, é preciso dizer - sem blefar – qual é o jogo. Jogue os dados, baby…
(incompletudes)

sábado, 14 de maio de 2016

FERNANDO PESSOA

Navegue, descubra tesouros, mas não os tire do fundo do mar, o lugar deles é lá. Admire a lua, sonhe com ela, mas não queira trazê-la para a terra. Curta o sol, se deixe acariciar por ele, mas lembre-se que o seu calor é para todos. Sonhe com as estrelas, apenas sonhe, elas só podem brilhar no céu. Não tente deter o vento, ele precisa correr por toda parte, ele tem pressa de chegar sabe-se lá onde. Não apare a chuva, ela quer cair e molhar muitos rostos, não pode molhar só o seu. As lágrimas? Não as seque, elas precisam correr na minha, na sua, em todas as faces. O sorriso! Esse você deve segurar, não deixe-o ir embora, agarre-o! Quem você ama? Guarde dentro de um porta jóias, tranque, perca a chave! - Fernando Pe

8 de dezembro de 2011

INCOMPLETUDES srta... k a

Na próxima vida quero nascer gato. Só para ter a sorte de arranhar e lamber por instinto e ninguém pensar mal. Quero poder fazer cara de poucos amigos, enquanto fecho os olhos e estrebucho ao sol, sem que as pessoas digam: “que temperamental”. E ter um dono apaixonado que abdica sem remorso do mais importante compromisso só para brincar de caça e aguçar o espírito. Após ronronar em seu colo, ganhar as ruas num salto olímpico e olhar felino de até logo mais. “Selvagem, que gato vagabundo”, pensará meu dono acostumado às escapadas, porém, certo da lealdade de quem sempre volta. De mansinho, deslizando pelos cantos, sem explicações e palavras desnecessárias. Na próxima vida quero mesmo é nascer gato. You understand?--

quarta-feira, 27 de abril de 2016

FRAGILIDADES


Passei todo o fim de semana gripada. Daquelas gripes “arrasa-quarteirão”, sabe? E me senti fraca. Frágil mesmo. Não levantei da cama, nem fiz o que tinha que fazer. Quase não trabalhei na segunda . Quando contei a alguém que não conseguiria trabalhar escutei: “Sem problemas, na segunda você dá conta. Você sempre dá conta”. Sempre dou conta… E se eu não der? Não puder ou não quiser dar conta? Fiquei pensando sobre isso… Difícil explicar e entender isso. Por ora, continuo me sentindo desprotegida, gripada e emburrada.

BASTA QUERER


E nem sempre as coisas saem como queremos. Na verdade, na maior parte do tempo a vida é bem diferente do que sonhamos. Isso nem sempre é ruim. Apenas diferente. O que não podemos é permanecer infelizes porque o mundo não gira ao nosso redor e aceita nossas infinitas vontades. Aceite você o que a vida te dá. Encare os desafios. Erga a cabeça e enfrente as diversidades. Procure algo que o satisfaça . Aja eticamente. Seja feliz nas pequenas coisas. Dê valor aos mínimos detalhes. A vida fica muito mais bonita quando focamos no lado positivo de tudo. A alegria é um exercício diário que deve ser realizado todos os dias. Sempre há motivos para sorrisos... basta querer!

INSÔNIA

Estou tentando dormir há horas, mas não consigo. Um tanto por preocupação e ansiedade.
Talvez escrever seja um desabafo, uma esperança de tirar todo desespero de um amanhã incerto.
E olha, não quero reclamar não, já reclamei demais da vida e aprendi a não ser vítima dos meus problemas. Os problemas estão aí para nos tornar fortes, sábios. Um dia seremos senhores de nossos dilemas.
Quero muitas coisas para o amanhã cheio de incertezas. Uma nova oportunidade de cumprir promessas há tempo esquecidas, devoradas pela rotina e pelo pessimismo presente aqui, dentro de mim.
Desabafar não é reclamar. É apenas se livrar do peso de todo medo que habita minha alma. Apenas abraçar o amanhã com coragem, fé e determinação.
E como disse Caio F. Abreu, porque era cedo demais e nunca tarde. Bom dia.
Srta Ka  (incompletudes)

sábado, 14 de novembro de 2015

ATENTADO EM PARIS

triste e perplexa com com tamanha violência em Paris... tenho lido muito a respeito da cultura dos países do extremo oriente. Fascinada sou com aspectos de sua cultura.. um povo terno,algumas vezes eles são mágicos e comoventes...me encantam e enternecem... Mas repudio atos violentos e extremistas.
Gosto   ComentaATENDADO 

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

"Eu não consigo diminuir o ritmo, sou ofendida de ansiosa inconseqüente, precipitada (não existe hipótese de precipitada ser usado como elogio). Se fosse cachorro, receberia coleira e correntes. Se fosse pássaro, estaria numa gaiola. Se fosse gato, o dono"

REFLETINDO

Os dias passam, as horas voam. O tempo é um bicho arredio que não me deixa domá-lo. A vida na cidade grande que tanto me encanta de repente me sufoca. Perdemos tempo no trânsito, procurando insanamente uma vaga, em filas variadas - na padaria, no supermercado, na entrada do elevador, na videolocadora, na lavanderia. Estou cansada. Sinto falta de encontros, de ócio, de ver a vida passar. Saudade de algo que não vivi. De tricotar sentada numa cadeira na varanda da frente da casa. De uma casa sem muro, num lugar qualquer que dispense muros. E grades. Onde só haja janelas e portas. Onde as pessoas cumprimentem-se sorridentes e se chamem pelos nomes, ou pelos apelidos. E façam comida em casa e presenteiem-se com bolos e quindins.

EUCALIPTOS NA JANELA

eucaliptos na janela

“o problema é que quero muitas coisas simples,

então pareço exigente...”

Fernanda Young


É estúpido, eu sei, mas peço por um grande amor todas as noites. E que meu grande amor me diga: você não se enganou, eu estou aqui. E rodeie-me, num abraço que dure em mim o dia todo, porque sinto muita falta de acolhimento.


Procuro alguém que queira receber a minha liberdade, sem tomá-la. Que saiba cuidar desse “vão” bonito que deve haver entre as pessoas, e que tenha a medida da canção do Cazuza, porque “eu quero a sorte de um amor tranquilo...”.


Quero um amor barroco.

Com os excessos que já nem lembro.

É estúpido, eu sei, mas quero um amor que não me deixe partir nunca mais...

terça-feira, 4 de agosto de 2015

APENAS

O cheiro da pólvora ao riscar o fósforo. A água fervendo no fogão . O café sem açúcar. As ruas ainda vazias. Os pés pisando em folhas secas. O primeiro raio de sol batendo no rosto . A música tocando nos fones da alma. O cachorro de rua abanando o rabo. O plástico bolha. A palavra escrita. . Os sonhos de quem não dormiu ainda acordados. As angústias dormindo até mais tarde. Meus dilemas sonolentos e silenciosos até agora. O banho quente e demorado antes de ir para o trabalho: de todas as minúsculas felicidades do meu dia, nenhuma até agora inclui pessoas

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

UM NOVO AMOR

Eu vou inventar um novo amor que ainda não foi descoberto, feito pra não doer, nem adoecer. Vou fazer paredes coloridas que derretem quando a tristeza chega perto, só pra sair da frente e deixar um vento com som de piano entrar...Vou inventar avós que nunca morrem e cachorros também... Eu vou inventar uma verdade sem problemas e um caminho doce pra poder voltar e catar todos os caramelos que tiraram de mim...E mesmo que tudo dê errado, mesmo assim, não tem problema. Eu deito no telhado de uma casa qualquer, olho pro céu e invento uma nuvem que chove sorrisos, bem em cima de mim

ACORDA

Não, meu bem. Eu não sou uma donzela em apuros. Não preciso de resgate. Ainda que pareça, muitas vezes, um gato assustado com seu pequeno novelo embaraçado, fim do universo. Não. Não se engane. Não tenho raiva do mundo, ou da vida, ou da sorte. Luto com planos mirabolantes-alternativos, entre sorrisos, palavras, e, pequenas sacanagens. Só uma menina. Crescida. Vou ninando minhas poucas ilusões – necessárias para arte, aquela de viver o bom combate. Entre o sujo e o sacro. Entre o céu e o inferno. Saltitante em minha desajustada amarelinha. Porque tudo, entre as linhas que se escreve, é um grande jogo de hipóteses. Há quem goste. Quem jogue. Onde estão seus dados? Salte. Mesmo vestido de blefe. E quem não blefa? O tempo inteiro, esqueça. Não sou um gatinho assustado, perdido em lugar nenhum do mundo. Guarde os infláveis, porque voo com o vento. Céu e inferno. Sem resgate. Lamento. Não sou uma menina bonita. Não quero ser uma menina bonita. Às vezes, acendo o cigarro – entre outras santas e tantas frágeis maldades. Sem perigo. À vontade. Não… não sou uma menina bonita… Vês? Quase sete. E não é que o dia – de novo – amanhece? Acorda!

domingo, 14 de junho de 2015

Lí não sei quando e onde que o SER HUMANO é movido pelos seguintes pilares:
- AMOR
- ÓDIO
- MEDO
- DEVER
Isso é o que nos move, já passei por todas essas fases,
de uma forma cíclica. Será uma forma de ser feliz? Não acredito.
Busco respostas. Só me dizer  quem souber.

Ando buscando  quem possa me dizer  COMO SE CHEGA A LUA E COMO SE SUPERA A DOR.FAZ UM SÉCULO   QUE  ESTOU APRENDENDO E PRECISO ENSINAR PARA ALGUÉM.
SÓ QUERO SER FELIZ

www.elzinha-semalgemas.blogspot.com

sexta-feira, 12 de junho de 2015

URGÊNCIA

(...) tenho sempre a sensação de que meu coração sairá pela boca – e tenho urgências imensas. Sobretudo, tenho urgência em ser feliz!

domingo, 31 de maio de 2015

QUANDO EU ESTIVER TRISTE

"E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
Quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
Quando eu estiver fogo
Suavemente se encaixe

E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
E quando eu estiver louco
Subitamente se afaste
E quando eu estiver bobo
Sutilmente disfarce

Mas quando eu estiver morto
Suplico que não me mate, não
Dentro de ti, dentro de ti

Mesmo que o mundo acabe, enfim
Dentro de tudo que cabe em ti"

(Samel Rosa/Nando Reis)

Ps: Música Lindaa!!

segunda-feira, 30 de março de 2015

sem título

"Eu sempre acho que amanhã será o dia de mudar de vez, de me assumir por completo. Mas daí o amanhã chega e tenho uma imensa preguiça de sair da minha área de conforto, porque é bem provável que ninguém entenda. E dá medo encarar o que é definitivo. E porque é mais fácil reclamar da vida do que torná-la leve de sobreviver." Verônica H

CARPINEJAR


Cobrar afeto é pior do que agredir fisicamente. Incha mais do que um tapa na cara. É cortar as palavras mais do que os lábios. Assume-se a condição de credor, como se o amor fosse uma dívida.
Assume-se uma posição superior em relação ao cobrado. Uma posição hierárquica, de chefe reivindicando o cumprimento dos prazos. Toda hora se deseja ouvir "eu te amo", como se o amor fosse chiclete para ocupar a boca. O amor não é uma versão de Windows que precisa ser atualizado a cada ano para girar mais rápido.
O amor é lento mesmo.

[Crônica "Cobranças", in: O Amor Esquece de Começar, Carpinejar, p. 122-123]

quarta-feira, 25 de março de 2015

SOBREVIVEREMOS?????????????????????????????????????

Eu devo. Pro cartão de crédito, é claro. Antes fosse só para ele. Devo também visita aos amigos, respostas aos comentários do bloguito, sem contar os emails acumulados de pessoas queridas e amadas , mais sexo pro namorado, e presença em festa de aniversário – da minha irmã (sim, eu faltei). Acho que nunca estive tão em débito com tudo. Uma mistura de excesso de coisas pra fazer e o fato de ser centralizadora. Não sei, também, fazer as coisas pela metade. Então, o dia nunca é suficiente.poxa. E, ainda tem tanta coisa pra fazer que estou com vontade de “jogar a toalha” e fugir – o que não seria má ideia embora não resolva nada. Daí você me pergunta: “mas, que hora você acordou?”. E eu respondo: “Nem fui dormir ainda“. Como me sinto? Sem dúvida, uma bitch sem consideração e sempre em dívida. But, no entanto, tranquila. Fazendo as coisas dentro do tempo que me é possível . Fico invejando e me perguntando como as pessoas arrumam tempo. … e durante a madrugada ainda tive que matar uma barata na sala. ow god! it’s my life. Mas, como disse o Dom Quixote, não é dado aos cavaleiros andantes (e, às “amazonas” em dívida com o mundo) queixar-se. Por isso, às vezes, sumo. Porque reclamar de tudo é para os “fracos” (ow, ow… eu não sou forte, mas, não curto “muro das lamentações”). Então volto (pro azar de vocês!). E, à propósito, sim, eu tenho medo de baratas. Devendo muito por aí também? Sobreviveremos?

PREGUIÇA DE SOFRER

Ando com tanta preguiça de sofrer, acho que minhas dores se cansaram de mim. Tenho estado diferente... sem aptidão para repetições. Com alguns machucados atravessados no peito, sentia medo de não reconhecer mais a inocência, mas hoje percebo que eles podem até ter feito faltar sorrisos, mas nunca motivos. Então cansei de doer. Agora vivo diante desse tobogã de possibilidades que é a vida. Afinal, foi na desistência que comecei a crescer... E, por tudo que doeu, agradeço, trago comigo infinito acervo afetivo. À noite, antes de dormir, diante do espelho, falo : - Ei... preciso saber se você ainda está aí... Fecho os olhos, e percebo que estou. Então, acho que dou conta de mim.