quinta-feira, 27 de julho de 2017

SOBRE O AMOR E A PAIXÃO

E que não confundam amor com paixão. Paixão é como essas ervas do
campo, que explodem em flor em épocas de clima propício. Pela exuberância e
variação de cores, tornam-se inebriantes. Pena que definhem e morrem à
primeira estiagem. Amor não. Amor é árvore frondosa, de semente difícil de
vingar. Cresce aos poucos, mas com raízes profundas. E tão fundo vão as raízes
que, ainda que a parte visível seja abatida, costuma voltar a brotar. Não é o caso
de dizer que o amor seja bom e a paixão seja má. No jardim do bem-querer,
ambos são igualmente desejáveis. Não raro, conseguem até se complementar. A
diferença é que o amor, a exemplo da árvore frondosa, é muitíssimo mais forte.
Dura muito mais.

terça-feira, 25 de julho de 2017

VENHA

Eu espero alguém que não desista de mim mesmo quando já não tem interesse. Espero alguém que não me torture com promessas de envelhecer comigo, que realmente envelheça comigo. Espero alguém que se orgulhe do que escrevo, que me faça ser mais amigo dos meus amigos e mais irmão dos meus irmãos. Espero alguém que não tenha medo do escândalo, mas tenha medo da indiferença. Espero alguém que ponha bilhetinhos dentro daqueles livros que vou ler até o fim. Espero alguém que se arrependa rápido de suas grosserias e me perdoe sem querer. Espero alguém que me avise que estou repetindo a roupa na semana. Espero alguém que nunca abandone a conversa quando não sei mais falar. Espero alguém que, nos jantares entre os amigos, dispute comigo para contar primeiro como nos conhecemos. Espero alguém que goste de dirigir para nos revezarmos em longas viagens. Espero alguém disposto a conferir se a porta está fechada a cafeteira desligada, se meu rosto está aborrecido ou esperançoso. Espero alguém que prove que amar não é contrato, que o amor não termina com os nossos erros. Espero alguém que não se irrite com a minha ansiedade. Espero alguém que possa criar toda uma linguagem cifrada para que ninguém nos recrimine. Espero alguém que arrume ingressos de teatro de repente, que me sequestre ao cinema, que cheire meu corpo suado como se ainda fosse perfume. Espero alguém que não largue as mãos dadas nem para coçar o rosto. Espero alguém que me olhe demoradamente quando estou distraído, que me telefone para narrar como foi seu dia. Espero alguém que procure um espaço acolchoado em meu peito. Espero alguém que minta que cozinha e só diga a verdade depois que comi. Espero alguém que leia uma notícia, veja que haverá um show de minha banda predileta e corra para me adiantar por e-mail. Espero alguém que ame meus filhos como se estivesse reencontrando minha infância e adolescência fora de mim. Espero alguém que fique me chamando para dormir, que fique me chamando para despertar, que não precise me chamar para amar. Espero alguém com uma vocação pela metade, uma frustração antiga, um desejo de ser algo que não se cumpriu, uma melancolia discreta, para nunca ser prepotente. Espero alguém que tenha uma risada tão bonita que terei sempre vontade de ser engraçado. Espero alguém que comente sua dor com respeito e ouça minha dor com interesse. Espero alguém que prepare minha festa de aniversário em segredo e crie conspiração dos amigos para me ajudar. Espero alguém que pinte o muro onde passo, que não se perturbe com o que as pessoas pensam a nosso respeito. Espero alguém que vire cínico no desespero e doce na tristeza. Espero alguém que curta o domingo em casa, acordar tarde e andar de chinelos, e que me pergunte o tempo antes de olhar para as janelas. Espero alguém que me ensine a me amar porque a separação apenas vem me ensinando a me destruir. Espero alguém que tenha pressa de mim, eternidade de mim, que chegue logo, que apareça hoje, que largue o casaco no sofá e não seja educado a ponto de estendê-lo no cabide. Espero encontrar uma mulher que me torne novamente necessário. ( Fabrício Carpinejar)

quarta-feira, 7 de junho de 2017

INFERNO

um dia todos os peixes
puseram a cabeça para fora da lagoa
e me olharam

SOLIDÃO


Hoje roí cinco unhas até o sabugo e encontrei no cinema, vendo Charles Chaplin
e rindo às gargalhadas, de chinelos de couro.  Usei a toalha
alheia e fui ao ginecologista.

JURA


Vou me apegar muito a você
vou ser infeliz
vou lhe chatear

COM ANSIEDADE


Os dias passam ao lado
o sol passa ao lado
de quem desceu as escadas
Nas varandas tremula
o azul de um céu redondo, distante
Quem tem janelas
que fique a espiar o mundo

A PARTIDA

Ordenei que tirassem meu cavalo da estrebaria. O criado não me entendeu. Fui pessoalmente à estrebaria, selei o cavalo e montei-o. Ouvi soar à distância uma trompa, perguntei-lhe o que aquilo significava. Ele não sabia de nada e não havia escutado nada. Perto do portão ele me deteve e perguntou: “Para onde cavalga, senhor?” “Não sei direito”, eu disse, “só sei que é para fora daqui, fora daqui. Fora daqui sem parar: só assim posso alcançar meu objetivo.” “Conheces então o seu objetivo?”, perguntou ele. “Sim”, respondi, “eu já disse: ‘fora daqui’, é esse o meu objetivo.” FRANZ KAFKA, “A partida”
Às vezes parece que estamos no centro da festa .No entanto no centro da festa não há ninguém.  No centro da festa está o vazio . Mas no centro do vazio há outra festa. 

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

SOLIDÃO

Solidão é... Olhar o telefone, ansioso por um chamado, e ele permanecer mudo. Ouvir uma música e não ter ninguém com quem associá-la. Querer dormir muito, para não ter a consciência de que está só. Não ter ninguém com quem brindar um acontecimento. Sentir frio e não ter um abraço para aquecê-lo. Falar alto em casa, para ter a sensação de estar ouvindo algum ser humano. Ter apenas um prato na mesa, às refeições. Não ter alguém para lhe abotoar o vestido ou lhe ajeitar a gravata. Sair de madrugada, tentando encontrar algum conhecido para poder desabafar. Perceber que não tem um ombro para chorar. Ler o jornal durante as refeições, por não ter com quem conversar. Verificar que a correspondência se resume a contas e extratos bancários. Nunca ter a quem dizer bom-dia, ao acordar. Não ter quem lhe faça um chá, quando está indisposto. Não ter a possibilidade de dividir o mesmo desodorante ou a mesma pasta de dentes. Não ter alguém que lhe impeça o suicídio. E você? Quando se sente realmente só?


BALTAZAR GRACIAN

Loucura não é cometer loucuras, e sim não conseguir escondê-las. Todos os
homens erram, mas o sábio esconde os enganos que cometeu, enquanto o louco os
torna públicos. A reputação depende mais do que se esconde do que daquilo que
se mostra. Se você não pode ser bom. seja cuidadoso.
Baltasar Gracian. 1601 -1658


Os atenienses mantinham regularmente uma quantidade de seres degradados e
inúteis; e quando acontecia uma calamidade, tal como uma praga, enchente ou
escassez de alimentos... [estes bodes expiatórios] eram levados... e depois
sacrificados, aparentemente apedrejados do lado de fora da cidade.
The Golden Bough, Sir James George Frazer 1854-1941

.NÃO ULTRAPASSE A META ESTABELECIDA; NA VITÓRIA APRENDA A PARAR.

O momento da vitória é quase sempre o mais perigoso. No calor da
vitória, a arrogância e o excesso de confiança podem fazer você avançar além
da sua meta e, ao ir longe demais, você conquista mais inimigos do que derrota.
Não deixe o sucesso lhe subir a cabeça. Nada substitui a estratégia e o
planejamento cuidadoso. Fixe a meta e, ao alcança-la, pare.

SOBRE O AMOR E A PAIXÃO

E que não confundam amor com paixão. Paixão é como essas ervas do campo, que explodem em flor em épocas de clima propício. Pela exuberânci...